Destaques


Planta do mês: Ipê-Amarelo

Ipê é uma palavra de origem tupi, que significa árvore cascuda. Em 1961, o Ipê-amarelo foi denominado pelo então presidente da república Jânio Quadros como a flor nacional. Existem inúmeras espécies diferentes de ipês com flores amarelas, roxas, rosas e brancas, todas pertencentes à família botânica Bignoniaceae. Esta família tem distribuição pantropical, isto é, ocorre em todas as áreas tropicais do planeta. Possui cerca de 120 gêneros e 800 espécies. No Brasil ocorrem cerca de 30 gêneros e 400 espécies.

O Jardim Botânico de Jundiaí possui em seu acervo quatro espécies diferentes de ipê-amarelo, o Ipê-amarelo-da-mata (Handroanthus vellosoi [Toledo] Mattos), o Ipê-amarelo-cascudo (Handroanthus chrysotrichus [Mart. ex DC.] Mattos), o Ipê-amarelo-do-cerrado (Handroanthus ochraceus [Cham.] Mattos) e o Ipê-amarelo-do-brejo (Handroanthus umbellatus [Sond.] Mattos). Todos florescem no final do inverno entre os meses de agosto e setembro. Suas flores são muito semelhantes, no entanto possuem diferenças significativas nas morfologias de folhas, frutos e troncos, bem como na resistencia da madeira, arquitetura de copa e porte.

Todas as espécies de Ipê-amarelo são decíduas, perdem suas folhas no inverno, e no início da primavera já estão cobertos por flores amarelas. Estas espécies são importantes fontes produtoras de néctar, que atraem muitos insetos polinizadores. Estes insetos se beneficiam do néctar e transportam involuntariamente os pólens para outras flores realizando a fecundação da planta.

Publicada em 23/09/2013 • Leia mais sobre ,




Jardim Botânico Jundiaí | Desenvolvido por CIJUN